Atualizado em: 26 de maio de 2023 | 19:56h

Autor: Equipe PM Bananeiras

Festival Literário promove homenagem e bate papo entre escritores, debatendo sobre o passado e o presente

A primeira edição do Festival Literário de Bananeiras foi um sucesso. Iniciando os grandes debates na sexta-feira (25), o evento prestou homenagem a contadora de histórias Dona Terezinha de Goiamunduba e trouxe como atrações principais grandes nomes da literatura estadual e nacional. Com uma programação extensa, aproveitando diversos espaços da cidade e com grande participação […]

30/10/2019 9h37 Atualizado há 4 anos atrás

A primeira edição do Festival Literário de Bananeiras foi um sucesso. Iniciando os grandes debates na sexta-feira (25), o evento prestou homenagem a contadora de histórias Dona Terezinha de Goiamunduba e trouxe como atrações principais grandes nomes da literatura estadual e nacional.

Com uma programação extensa, aproveitando diversos espaços da cidade e com grande participação do público, o primeiro dia do evento começou com a homenagem a Dona Terezinha no Espaço Cultural Oscar de Castro, onde se concentrou boa parte do festival na sexta. O prefeito Douglas Lucena, entregou uma placa para Dona Terezinha, como contadora de histórias, uma forma de reverência ao que ela representa para o município.

“O Festival Literário em sua primeira edição se propôs a tratar muito sobre história e escolhemos uma contadora de histórias local para poder fazer a ligação de todos esses pontos. Nomes nacionais estarão por aqui, mas esse instante de homenagem eu creio que é o de maior impacto afetivo. ”, afirmou Douglas.

Dona Terezinha agradeceu o carinho com o qual é tratada por todos que a procuram para escutar suas histórias. “Obrigada meu povo, em especial a todos os que estão aqui. Uma pessoa que nem eu ser tão querida e amada por tantas pessoas. Eu fico muito feliz. Eu trago aqui as minhas verdades”, pontuou.

 

Seguindo com à programação da manhã, a mesa redonda “Quem escreve, lê o quê?”, trouxe os escritores Políbio Alves, Lau Siqueira e Everaldo Lucena para um bate papo que teve como objetivo fazer uma reflexão sobre a base da escrita e o que os levou a começarem a escrever, qual autor serviu como inspiração. Ou seja, a história de cada um no universo da literatura.

Os escritores Lau Siqueira e Iveraldo Lucena parabenizaram a gestão por incentivar a leitura, e por homenagearem uma contadora de história e afirmaram “A leitura é fundamental para o desenvolvimento do ser humano. Seja ele escritor ou não”.

O escritor Políbio Alves parabenizou a Prefeitura de Bananeiras pela realização do evento. “Nenhum país pode se desenvolver se não for através da leitura, cultura e da arte. Parabenizo a prefeitura de Bananeiras por realizar um evento desse porte. Isso é um ato que deve ser louvado, ele dá dignidade às pessoas.

Na parte da tarde, a programação começou com a mesa redonda sobre “As Gerações Afetivas na Escrita”. As escritoras Ana Adelaide Peixoto, Bernardina Freire, Débora Ferraz e Isabor Quintiere expuseram um pouco de suas trajetórias na literatura e conversaram com um público formado predominantemente por jovens estudantes sobre a formação do leitor.

Dando continuidade à programação, o grupo Confraria Sol das Letras realizou um Pôr do Sol Literário no Cruzeiro de Roma. O membro fundador da confraria, Chico Pereira, afirma que o evento literário traz uma importante discussão sobre a literatura brasileira de hoje, atém de outros assuntos como a questão da escrita de um modo geral, a questão do mercado de livro, da sobrevivência das livrarias e o posicionamento desse mercado na era da internet. Na ocasião, foram lançados os livros de Chico Pereira, Ana Paula Cavalcanti e Tony Santos, jovem professor da rede municipal.

Finalizando a programação da sexta-feira, o escritor de best-sellers e historiador Laurentino Gomes, fez o lançamento de seu mais recente livro “Escravidão”. O autor participou de uma mesa redonda com o jornalista e presidente do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, Ramalho Leite, e o radialista Eraldo Luís.

Laurentino é referência na escrita e como historiador, vendendo mais de dois milhões e meio de exemplares de suas obras, estas são 1808. 1822 e 1889. No seu novo trabalho Escravidão, ele relata a escravidão e o tráfego de escravos no Brasil, e como isso deixou resquícios na sociedade atual.

Além de conversas entre escritores e lançamentos de livros, atividades paralelas aconteceram simultaneamente na Praça Epitácio Pessoa, com a exposição “Bananeiras 140 anos” realizada pelas escolas municipais, e no Ginásio de Esportes O Ramalhão, com a exposição “Bananeiras Sob o Olhar de uma Criança”, um projeto das Escolas Municipais de Educação Infantil.

O Festival Literário de Bananeiras é uma realização da Prefeitura Municipal de Bananeiras, com o apoio da Universidade Federal da Paraíba – Campus III, Sebrae PB, Fecomércio, Feira Vó Corina e a Associação das Esposas dos Magistrados da Paraíba.

Ascom – PMB


Ao continuar navegando no nosso portal, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Para ter mais informações, acesse nossa página de Política de Privacidade

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support