Atualizado em: 17 de maio de 2024 | 19:22h

Autor: Equipe PM Bananeiras

Festival Literário de Bananeiras termina com a participação de Laerte Cerqueira, Miriam Leitão e Sérgio Abranches em uma conversa sobre o Brasil Contemporâneo

“Bananeiras conseguiu construir um festival que já ganhou contornos grandes”. Essa é a avaliação do prefeito do município Douglas Lucena ao final da primeira edição do Festival Literário de Bananeiras. O evento que reuniu grandes nomes da literatura paraibana e nacional contou com ricos debates, participação de estudantes e lançamentos de livros de autores bananeirenses […]

30/10/2019 10h50 Atualizado há 5 anos atrás

“Bananeiras conseguiu construir um festival que já ganhou contornos grandes”. Essa é a avaliação do prefeito do município Douglas Lucena ao final da primeira edição do Festival Literário de Bananeiras. O evento que reuniu grandes nomes da literatura paraibana e nacional contou com ricos debates, participação de estudantes e lançamentos de livros de autores bananeirenses e convidados.

A programação do último dia de festival começou com a mesa redonda “Análise e Perspectiva do Brasil Contemporâneo”, no auditório da UFPB, campus III, e contou com a participação de Miriam Leitão e do sociólogo Sérgio Abranches. Para a jornalista, festivais literários são importantes, pois além de movimentar a economia da região, traz benefícios intangíveis. Ela afirma que as pessoas do local se envolvem no evento indo a debates, refletindo sobre o país, o estado e o município, se interessam mais pela leitura e se mobilizam mais.

“Festivais Literários promovem um aumento do índice de leitura grande entre os jovens, isso tem um valor para a além da economia, um valor intangível, de fortalecer as pessoas. Eu estou feliz em participar”, pontuou.

Para Sérgio Abranches, festivais literários têm duas vantagens fundamentais. A primeira é que valoriza os autores brasileiros e a segunda é que esses eventos estão aumentando o interesse a curiosidade das crianças pela leitura e demonstrando para as sociedades locais a importância de ler e escrever. “Isso é fundamental para um país que queria dar um passo civilizatório no século XXI”, observou.

Mediando o debate, o jornalista Laerte Cerqueira pontuou que é preciso discutir literatura e arte. Para ele, quando o poder público assume a responsabilidade de fazer um festival como esse, também assume a importância dessas ações. “A gente precisa estimular a reflexão, a escuta, a cotação de histórias. Principalmente nesse momento em que a gente vive, em que a arte muitas vezes é alvo de crítica. Acho que o festival de Bananeiras faz história e tem agora o desafio de continuar bem, de continuar forte e, mais do que isso, envolvendo as cidades da região, para se fortalecer ainda mais”, ressaltou.

Auditório cheio e plateia participativa, o debate rendeu aplausos e risadas. Assuntos diversos foram abordados, desde análises sobre o Brasil contemporâneo a Fake News, passando por economia e educação. Em uma de suas falas, Miriam Leitão ressaltou que acredita na produção do conhecimento como resistência a coisas que colocam o cidadão para trás. E ainda mandou o recado para uma criança fã da jornalista. “Meninas podem mudar o mundo. É isso aí, acredite nisso”.

Curadores do festival, Juca Pontes e Anastácia Alencar ressaltaram que o evento cumpriu bem o papel de incentivo à leitura e à arte. Para eles, o sonho do prefeito Douglas Lucena se transformou no sonho de todos, daí o fato do festival já ter nascido grande. “Todos acreditaram que era possível e o resultado foi algo fantástico, tudo isso que a gente pôde presenciar essa semana”, afirma Juca Pontes.

Para Anastácia Alencar destacou a participação do público nas mesas redondas e se emocionou com a homenagem prestada à contadora de Histórias, Dona Terezinha de Goiamunduba. “Cada mesa teve seu encantamento, nenhuma deixou a desejar, o público foi participativo em todas elas. Me emocionei vendo Dona Terezinha ser homenageada, pois valorizo muito esse processo criativo da cotação de histórias. Aprendi muito com ela e seu olhar de encantamento contaste”, pontuou.

Feliz com o resultado positivo da primeira edição do evento, Douglas Lucena destacou a participação da população não apenas assistindo, mas atuando fortemente. Ele pontuou que o festival conseguiu ofertar um modelo que vai servir de modelo para o futuro, para que o município possa se fortalecer ainda mais por meio da cultura, da arte e da literatura.

“Estamos todos muito felizes, a participação da população atuando fortemente, seja com as crianças das escolas de educação infantil fazendo exposições, seja com a juventude participando dos debates e também lançando livros, seja com o bananeirense demonstrando que tem vigor cultural, desde a homenageada Dona Terezinha, uma contadora de histórias, até as discussões mais densas e diversas também tiveram os nossos cidadãos como protagonistas. Isso envaidece o município e traz uma carga de responsabilidade para que a gente possa continuar estimulando a cultura e literatura e fazendo um festival ainda maior”, afirmou.

Finalizando o evento, o grupo O Tempo Não Para apresentou um aulão espetáculo no Salão das Artes, localizado na Praça Epitácio Pessoa.

O Festival Literário de Bananeiras aconteceu entre os dias 25 e 27 de outubro. O evento foi realizado pela Prefeitura Municipal de Bananeiras e teve o apoio da Universidade Federal da Paraíba – campus III, do Sebrae, da Fecomércio, da Feira Vó Corina, da Associação das Esposas dos Magistrados Paraibanos (AEMP) e da Funesc.

Ascom

 


Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support

Preferência de Cookies

Usamos cookies e tecnologias semelhantes que são necessárias para operar o site. Você pode consentir com o nosso uso de cookies clicando em "Aceitar" ou gerenciar suas preferências clicando em “Minhas opções”. Para obter mais informações sobre os tipos de cookies, como utilizamos e quais dados são coletados, leia nossa Política de Privacidade.